O álcool e as mulheres: os recentes dados dessa relação

As mulheres estão bebendo mais e de forma perigosa. Essa é uma das conclusões do estudo realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e divulgado na última semana pelo jornal britânico Daily Mail.

Um dos principais dados desse estudo é que as mulheres que mais ingerem álcool são as que possuem alta escolaridade e, destas, muitas são bem-sucedidas profissionalmente. Segundo o relatório, uma a cada cinco mulheres com alto nível de escolaridade bebe, contra uma a cada 10 do grupo de mulheres que não possuem tantos anos escolares.

O que, para os pesquisadores, significa que esse comportamento de alto consumo de álcool pode estar relacionado à necessidade feminina de adotar hábitos sociais semelhantes aos colegas do sexo masculino na sua rotina de trabalho. De acordo com o relatório, esse seria o “lado oculto da igualdade”.

Outro fato apontado pelo relatório é que as mulheres com ensino superior podem ter empregos mais bem pagos que envolvem maior grau de responsabilidade e, portanto, pode beber mais pesadamente porque eles têm mais estresse, bem como mais chances de sair pra beber com os colegas do sexo masculino com limites mais altos de consumo de álcool.

Não é a primeira vez que dados apontam que as mulheres que estudam mais também ingerem mais álcool, assim como já postei aqui os malefícios que o álcool faz, independente de gênero ou idade. Embora o álcool no corpo feminino age com mais rapidez devido a composição corporal.

Quem quiser se aprofundar no assunto do álcool e as mulheres, separei alguns artigos antigos:

Mulheres e o álcool: cuidado com os riscos

Alcoolismo feminino: como identificar a doença mostrada em Amor à Vida

Fonte:
Jornal Estadão
Telegraph